Pensar as relações Brasil-China para além da dicotomia ideologia-pragmatismo

Com o novo cenário internacional dos anos 2000, e o destaque de países como Brasil e China, houve um fortalecimento da chamada cooperação Sul-Sul, e a criação de iniciativas como os BRICS. Porém, após a eleição de Bolsonaro, com a política externa submissa de Ernesto Araújo, muitos ruídos surgiram nessa relação.


Para debater como superar esse cenário xenófobo e reforçar a importância para o Brasil das relações econômicas, políticas, culturais, dentre outras, com a China, a curadora e mediadora Desiree Almeida (UFSC/San Tiago Dantas) convida Valéria Ribeiro (UFABC), Danielly Beccard (UnB) e Philip Yang (URBEM). Assista abaixo:



2 visualizações0 comentário