O papel da memória na construção da política externa e a Comissão Nacional da Verdade

Atualizado: Jun 18



A conversa se propõe a discutir algumas questões do passado que assombram o presente. Apesar da boa imagem do Itamaraty, documentos da ditadura civil-militar revelam ações conjuntas do corpo diplomático com governos autoritários no Brasil e em outros países. Ao contrário do que ocorreu na vizinhança, o Brasil não teve uma Comissão da Verdade que tratasse adequadamente do envolvimento da diplomacia com atividades repressivas.


A partir disso, a curadora e mediadora Alessandra Beber (USP) convida Adrianna Setemy (Universo), Vanuza Nunes Pereira (UFRN) e Pio Penna Filho (UnB) para um debate que traga reflexões para ações futuras.


BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

Comissão Nacional da Verdade. Relatório – vol. 1. Brasil, 2014. Capítulos 5 e 6 (http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/i...)


Adrianna Setemy. Do serviço de estudos e informações (sei) ao Centro de informações do exterior (CieX): a institucionalização das políticas de informação e repressão ao comunismo no Itamaraty. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 24, n. 1, p. 149-171, 2018 (https://www.researchgate.net/publicat...)


0 visualização0 comentário